sábado, 29 de agosto de 2015

Como melhorar o visual dos cabos que chegam numa Tv no suporte de parede ?

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Cliente resolveu tirar a Tv da bancada do móvel e instalar na parede, com um suporte de parede.

Mas, e os cabos de conexão de vídeo e som, terão de subir até a parte de trás da Tv, e ficará uma cachoeira de fios pretos, se destacando na parede branca.

Como esconder esta cachoeira de fios ?
Se você dispor de R$$$$ poderá comprar um painel de madeira e após fixá-lo na parede, os cabos e fios passarão por dentro do espaço oco, da parte de baixo até a parte de trás da Tv.



Não quero instalar este painel, porque estou sem tempo ($$$$$) e com urgência !!!
Esta situação é a famosa ¨Quero para ontém¨.

Gastando pouco material, desloquei uma extensão para tomadas do sistema X da Pial Legrand, com a utilização de canaletas adesivadas.

Junto ao rodapé, deixei 2 tomadas e subi verticalmente, mais tomadas, na parte inferior da Tv.

Nestas tomadas, seriam plugados o DVD, o decodificador da NET, um roteador e a própria Tv.

O cabo da Net viria do cômodo ao lado, através de um furo na parede na direção do decodificador.

Os aparelhos ficariam apoiados em uma estreita prateleira de vidro, a ser fixada, abaixo das tomadas e os cabos de HDMI ou AV, passariam por baixo da Tv.






Dica:
Outra possibilidade, seria se esta parede for em uma sala e do outro lado desta parede, existir um quarto, desta mesma residência, na parte de baixo corte a parede e instale uma caixa de luz de 4x4 com o fundo serrado. 
Nesta mesma direção, corte a parede e instale outra caixa de luz 4x4, também com o fundo serrado.
Na altura da parte de trás da Tv, repita os procedimentos.
Ou seja os cabos entram por baixo e saem por cima, passando pelo cômodo ao lado.
Para dar acabamento instale uma ou duas canaletas largas com 3 vias.



Autor do texto e das fotos: Gilson Carlos Pessanha               

                           Siga me no Google+ Gilson carlos Pessanha

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Regras Básicas em caso de incêndio

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Vou transcrever excelentes dicas para procedimentos em caso de incêndio em um condomínio residencial, publicados na revista LOWNDES report - nº120 - Jan/Fev 2015, que poderão orientar síndicos e moradores em geral.

Regras Básicas em caso de incêndio:
Mantenha sempre à vista o telefone de emergência do Corpo de Bombeiros (193).

Conserve sempre as caixas de incêndios em perfeita condições de uso e somente as utilize em caso de incêndio.

Os extintores devem estar fixados sempre em locais de fácil acesso, devidamente carregados e revisados.
Estes locais devem ter identificação própria que os destaque no ambiente.



Revisar periodicamente toda a instalação elétrica do prédio, incluindo aí a existência de possíveis vazamentos de gases.

Cuidados de acordo com as especificações de cada extintor, como os específicos para líquidos inflamáveis.

Evitar a falta de ventilação.

Manter sem trancas e desobstruídas as portas de halls, elevadores, portas corta-fogo ou outras saídas.

Realizar campanhas para que não fumem em locais proibidos (como elevadores) e tenham cuidado com o descarte de fósforos e pontas de cigarro acessos (não jogá-los pela janela, por exemplo).

Aconselhar para que verifiquem antes de sair de casa ou do trabalho se desligaram todos os aparelhos elétricos.

Desligue o Disjuntor ou chave elétrica geral, em caso de curto-circuito.

Procure impedir a propagação do fogo combatendo as chamas no estágio inicial.
Para isto, utilize o equipamento de combate ao fogo disponível nas áreas comuns da edificação.

Não utilize toalha ou lençóis no combate, que oferecem ainda mais risco de propagação.

Ao primeiro sinal de incêndio, transmita o alarme geral e chame imediatamente o Corpo de Bombeiros, informando a ocorrência, o acesso mais fácil para a chegada ao local e o número de pessoas acidentadas, inclusive nas proximidades.

Evitar aglomerações para não dificultar a ação do socorro e manter a área junto aos hidrantes livres para manobras e estacionamento de viaturas.

Não sendo possível eliminar o fogo, oriente o abandono do edifício rapidamente, pelas escadas.
Ao sair, feche todas as portas atrás de si, sem trancá-las.

Não sendo possível abandonar o edifício pelas escadas, permaneça no pavimento em que se encontrar, aguardando a chegada do Corpo de Bombeiros.

Somente suba ao terraço se o edifício oferecer condições de evacuação pelo alto, ou se a situação o exigir.

Em situações críticas, feche-se no banheiro, mantendo a porta umedecida pelo lado de dentro e vedada com toalha ou papel molhados.

Em condições fumaça intensa cubra o rosto com um lenço molhado e ao sair ande o mais rente possível do piso, para evitar ficar asfixiado.

Em regra geral, uma pessoa cuja roupa pegou fogo procura correr.
Não o faça !

A vítima deve procurar não respirar o calor das chamas.

Para o evitar, dobre os braços sobre o rosto, apertando-os.
Jogue-se ao chão e role, ou envolva-se numa coberta ou num tecido qualquer.

Vendo correr uma pessoa com as roupas em chamas, obrigue-a a jogar-se ao chão e rolar lentamente.

Se puder, envolva o acidentado com um cobertor, lona ou com panos grossos.
Nunca envolva a cabeça da vítima, pois assim você a obriga a respirar gases.






Visite e curta a minha página no facebook.com/GilsonEletricista

                           Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha

Cursos de NR-10 à distância e com certificado pela Diferencial Engenharia

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Esta é uma dica, para todos os eletricistas em geral, que querem fazer um curso de qualidade, sobre as atuais normas de segurança NR-10.

O curso pode ser presencial ou à distância e com certificação reconhecida.





Visite e curta a minha página no facebook.com/GilsonEletricista


Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Antigos lustres coloniais com modernas lâmpadas Led

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Os antigos lustres coloniais com cristais, podem utilizar as modernas lâmpadas Leds ?

Sim.

E a substituição é direta.

Basta comprar uma Led com o mesmo tipo de rosca do antigo bocal de porcelana.

Existem Leds para bocais E-27 e E-14. 

Cliente optou por lâmpadas velas leitosas e bulbo Leds leitosas.

Eu acho que as cristais ficariam mais adequadas, mas é questão de gosto pessoal.



Este fabricante anexou na cartela um adaptador para também poder usar esta lâmpada em um bocal E-27.





Autor do texto e das fotos: Gilson Carlos Pessanha             MyFreeCopyright.com Registered & Protected


Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha

O quê causa uma constante queima de lâmpadas em uma residência ?

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Cliente relatou que a lâmpada incandescente de 60w, na luminária da área de serviço, sempre queimava após uma semana de uso.

Ao examinar o bocal, ele estava completamente oxidado por zinabre e com os fios frouxos.

O calor gerado nesta má conexão, terminava por queimar a lâmpada.

Ao tentar retirá-la a parte da rosca ficava presa no bocal e o vidro saia na mão.

Este é um defeito clássico e pontual.

Mas, e quando a queima está espalhada em vários pontos numa mesma residência, o quê poderá estar acontecendo ?

Sobretensões:
Estas tensões elevadas em muitas vezes valor da tensão normal de funcionamento, costuma afetar principalmente as antigas lâmpadas incandescentes, as lâmpadas halogenas e as lâmpadas fluorescentes com partida por reatores eletrônicos.

Comentário Pessoal:
As modernas Lâmpadas Led funcionam com tensões de 90 à 240 e 280 volts, automaticamente e não são queimadas.

Surtos elétricos:
Causados por quedas de raios, nas proximidades, ou por funcionamento de grandes motores elétricos.

Comentário Pessoal:
Nestes casos, a instalação de DPSs - Dispositivos de Proteção contra Surtos, no Padrão de Entrada e no Quadro de Disjuntores, será de grande valia e proteção.

Falta de Luz Geral ou em alguns bairros:
O problema não é no momento da interrupção e sim no momento do retorno.

A tensão elétrica costuma voltar bem mais elevada e poderá causar a queima de reatores e até motores.

Comentário Pessoal:
A utilização de DPSs e estabilizadores protegerá.

Alguns moradores, preferem desligar o disjuntor geral e esperar alguns minutos, após o retorno da luz, para religar o disjuntor.

Circuitos de luz e tomadas compartilhados.
O normal e o correto é que estes circuitos sejam independentes, vindos diretamente do Quadro de Disjuntores.

Desta maneira, ao ligar um aspirador de pó, não haverá queda de tensão e diminuição do brilho nas lâmpadas, o que causará desgaste prematuro na vida útil das mesmas.

Luminárias inadequadas:
Luminárias com pouca ventilação, diminuem a vida útil das lâmpadas eletrônicas e principalmente das modernas lâmpadas Led, que precisam dissipar o calor para o exterior.



Autor do texto e das fotos: Gilson Carlos Pessanha           MyFreeCopyright.com Registered & Protected


Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha

Quadro de Disjuntores preparado para matar alguém...

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

Vejam as fotos de 2 sinistros e antigos Quadro de Disjuntores, totalmente fora das Normas de Segurança e que ao menor descuido de algum morador, será eletroplessado.

1º Caso:
Este grande e antigo Quadro de Disjuntores, em chapa de aço, com 2 portas, deveria ser o Top na época dos anos 40.



Quadro com a tampa fechada, nenhum perigo.


Ao abrir a porta, para desligar ou ligar algum disjuntor...
Barramentos de cobre, totalmente expostos e sem placa de policarbonato.



Ao precisar desligar o disjuntor Geral é preciso abrir a porta inferior.
Surpresa !!!

Não existe disjuntor Geral e sim uma chave Faca Seccionadora, montada invertida.

Para segurar o cabo preto, a mão fica perigosamente perto dos 3 barramentos energizados.

Para religar a chave, é preciso empurrar para cima e para dentro.
Se a mão escorregar irá de encontro aos barramentos, já energizados.

O Quadro não está aterrado e se um condutor energizar o metal, morador ao tocar a mão na porta, levará choque...


Nesta época, as cores dos cabos elétricos não eram padronizadas.
Não havia barramento para o Terra.
Não havia terminais de compressão.
Era permitido 2 ou mais circuitos serem conectados no mesmo disjuntor.

Comentário Pessoal:
O quê fazer ?
Arrancar tudo, montar trilhos Din, instalar Disjuntor Tripolar Geral, Instalar DR Tetrapolar, Instalar 4 DPSs, aumentar o número de disjuntores + reservas, instalar canaletas aletadas para acomodação e acabamento dos cabos elétricos, instalar um barramento Terra, trocar antigas fiações sólidas por cabos flexíveis, identificar todos os disjuntores.

2º Caso:
Cozinha foi reformada e o marceneiro teve uma excelente ideia para esconder o feio Quadro de Luz:

Retirou a tampa frontal que protegia o acesso aos disjuntores e montou uma tampa de madeira, seguindo o padrão da madeira da cozinha.

Apartamento foi alugado e a nova inquilina, ao chegar achou a cozinha linda.

Com duas filhas pequenas de 2 e de 5 anos, ao se descuidar, a filha de 5 anos, subiu na cadeira da cozinha e abriu a tampa do Quadro de Luz, para ver o que tinha dentro.

Por sorte, milagre ou proteção do Anjo da Guarda, não colocou a mão nos barramentos expostos...


Ficou lindo !


Ficou lindo !!


Ficou muito perigoso !!!

Já encontrei em centenas de residências, Quadros de disjuntores sem a tampa e com um lindo Poster escondendo a perigosa situação...







Tirei as medidas da parte interna e será encomendada uma placa de policarbonato na cor fumê, com recortes dos disjuntores.
 Ao abrir a porta de madeira, só se verá as alavancas dos disjuntores.
Quando retornar nesta residência, vou tirar uma foto desta parte de dentro.

Comentário Pessoal:
Acho que descobri por quê a menina, subiu na cadeira e iria subir na bancada:
Queria pegar os atraentes bichinhos no alto da tampa do Quadro de Disjuntores...


Autor do texto e das fotos: Gilson Carlos Pessanha            MyFreeCopyright.com Registered & Protected


Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha

Quais as manutenções preventivas a serem realizadas em um Quadro de Disjuntores ?

Olá amigos e iluminados leitores do Blog do Gilson Eletricista.

O Quadro de Disjuntores ou Quadro de Luz é a principal proteção e distribuição de energia elétrica em uma residência, loja, fábrica ou industria.




No Quadro chegam os cabos elétricos com 1 Fase + Neutro + Terra, ou 2 Fases + Neutro + Terra, ou 3 Fases + Neutro + Terra.

Em alguns, mais antigos o Terra não está instalado.

Com a utilização diária, é normal acontecer o desgaste entre as conexões e parafusos dos barramentos e disjuntores.

Como ocorre o desgaste entre as conexões ?
Com a passagem da corrente elétrica.

O quê acarretará este desgaste nos contatos ?
Inicialmente a conexão ficará frouxa e haverá aumento da resistência, o que por sua vez irá gerar calor.

Este calor irá tendendo a aumentar e começará a queimar os bornes dos disjuntores e capas dos cabos elétricos.

A tendência é o cobre do condutor ficar cada vez mais fino e terminar por arrebentar e parar o funcionamento do respectivo circuito.

Existe outra possibilidade de acontecer este mau contato ?
Sim.

Conexões fracamente apertadas com a utilização de chaves de fenda inadequadas.

Oxidação do cobre por Zinabre.

O cobre fica esverdeado ou azulado e esta oxidação isola o contato e tende a queimar o condutor ou disjuntor.

Estes maus contatos podem gerar prejuízos ?
Sim.

Estará havendo um desperdício de energia elétrica sob a forma de calor.

A tensão elétrica estará diminuída e fará com que os motores, por exemplo da ar condicionados, trabalhem com maiores correntes elétricas.

Neste caso, o morador estará com sua conta de luz acrescida por este aumento de consumo e pela fuga sob a forma de calor, ou seja contas altas.

Agora, o maior prejuízo, sem duvida, será o início de um incêndio...

Manutenções preventivas necessárias:
Para lojas e comércios = de 6 em 6 meses.
Para residências = 1 vez por ano.

Este é um procedimento que deverá ser realizado por um eletricista qualificado e com a utilização de ferramentas isoladas e equipamentos de EPis.

Consulte o seu eletricista de confiança ou veja aqui na lateral do Blog a lista de profissionais qualificados, em várias partes de Brasil.

Retirar a tampa do Quadro de Disjuntores.

Observar atentamente o estado físico do Quadro.

Se o eletricista tiver um termômetro digital, poderá localizar rapidamente os pontos quentes com temperatura acima de 70º C.

Desligar todos os disjuntores secundários.

Desligar o disjuntor geral.

Remover e eliminar pontos com zinabre.

Aplicar anti-corrosivo nos barramentos e conexões em geral.

Reapertar todos os parafusos e porcas.

Religar o Disjuntor Geral.

Religar todos os disjuntores secundários.

Com um voltímetro, colocar uma ponta de prova no barramento Neutro e com a outra ponta, aferir todas as tensões elétricas na entrada do disjuntor Geral, na saída do disjuntor Geral, na entrada de cada disjuntor secundário, na saída de cada disjuntor secundário e no barramento Terra (caso exista).

Com estas verificações o eletricista verá se existem quedas de tensão nos circuitos e a qualidade do aterramento.

Com o amperímetro garra, verificar as correntes totais, que estão passando pelo disjuntor geral.

Com esta verificação, o eletricista verá se o Quadro está balanceado, ou seja, se as correntes das 3 Fases estão as mais próximas possíveis.

Um Quadro desbalanceado, também ocasiona altas contas de luz.



Autor do texto e das fotos: Gilson Carlos Pessanha           MyFreeCopyright.com Registered & Protected


Siga me no Google+ Gilson Carlos Pessanha